Aliança do Yoga

Este Centro possui Professores Filiados na Aliança do Yoga

Textos

Humanos Emitem Luz

Esquisito: Humanos emitem luz

. Veja as imagens em
http://hypescience. com/18993- esquisito- humanos-emitem- luz/

O corpo humano literalmente brilha, emitindo luz visível em níveis extremamente baixos que aumentam e reduzem durante o passar do dia, descobriram cientistas. É uma luz visível diferente da radiação infravermelha, uma forma de luz invisível, emitida pelos corpos humanos.

Pesquisas anteriores já mostraram que o corpo emite luz visível mil vezes mais fraca do que os níveis visíveis a olho nu. É fato que virtualmente todos os animais emitem luz extremamente fraca, o que se pensa ser um subproduto de reações bioquímicas envolvendo radicais livres.

Para descobrir mais sobre esta forma fraquíssima de luz visível, cientistas japoneses utilizaram câmeras extremamente sensíveis capazes de detectarem fótons individuais. Cinco voluntários jovens e saudáveis eram colocados em frente às câmeras sem camisa, em ambientes totalmente selados contra iluminação, durante 20 segundos a cada três horas. Das 10 da manhã às 22h da noite.

Os pesquisadores descobriram que o brilho o corpo aumentou e caiu durante o dia, com o nível mínimo sendo as 10h da manhã e o pico as 16h, caindo gradualmente depois deste horário. Estas descobertas sugerem que estas emissões de luz estão ligadas ao nosso relógio corporal, chamado de ciclo circadiano, e deve estar relacionado às flutuações do ritmo metabólico ao longo do dia.
Os rostos brilhavam mais do que o restante do corpo. Isso pode ocorrer pelo fato das faces serem mais bronzeadas do que o restante do corpo, pois são mais expostas a luz do sol. A melanina, o pigmento da pele, tem componentes fluorescentes que podem ampliar a minúscula produção de luz do corpo.

Como a fraca luz está ligada ao metabolismo, estas descobertas sugerem que as câmeras podem encontrar fracas emissões que podem ajudar a identificar problemas de saúde, segundo Hitoshi Okamura, um biólogo circadiano da Universidade de Kyoto, no Japão.

“Se você pode ver esta luz fraca na superfície do corpo, você pode ver a condição de todo o corpo”, disse o pesquisador Masaki Kobayashi, um especialista em fotônica do Tohoku Institute of Technology, no Japão.

A pesquisa foi publicada na revista científica PLoS ONE

 

Rua Gonçalves Dias, nº. 109 Pio Correa - Criciúma/SC