Aliança do Yoga

Este Centro possui Professores Filiados na Aliança do Yoga

Psicologia

O que é a Psicologia?

As Várias Abordagens Psicológicas


O que é a Psicoterapia Bioenergética?


Exercícios de Bioenergética


A Psicologia é uma Disciplina Ocidental que visa o restabelecimento da Saúde Mental, possui em torno de 250 anos.

Dentro da Psicologia existem diversas correntes ou abordagens de tratamento.
 
O Centro Flor de Lótus oferece Psicoterapia com ênfase na Análise Bioenergética, desenvolvida por Wilhelm Reich e Alexander Lowen, também conhecida como Psicoterapia Corporal.
 
Esta abordagem é um método de psicoterapia corporal que se baseia no estudo das estruturas do caráter dos indivíduos, observando seus traços de personalidade e sua estrutura corporal.
 
A descrição da metodologia da Psicoterapia Bioenergética é relativamente difícil, por que ela orienta-se por mecanismos gerais e não por técnicas fixas, pois é uma terapia individualizada, onde foca-se a estrutura do caráter e os mecanismos de encouraçamento, que se dão de forma diferenciada em cada indivíduo.
 
Usando de técnicas verbais e corporais, visando à dissolução da couraça (desencouraçamento), são liberados os impulsos e emoções reprimidas, “favorecendo a elaboração de conteúdos psíquicos associados e a restauração da pulsação e dos fluxos orgonóticos.”
 
Os distúrbios psico-emocionais estão constantemente ligados a problemas anatômico-fisiológicos, isto porque o ser humano é um sistema unitário.
As disfunções corporais são chamadas de couraça. Esta envolve disfunções viscerais, senso perceptivo, muscular, hormonal, respiratório, etc. Sendo que são instaladas no organismo por situações traumáticas, onde há ameaça e sofrimento.
 
Segundo Reich em nosso organismo existe um fluxo constante de energia orgânica, onde este movimento, este fluxo acompanha nossas funções emocionais e fisiológicas.
 
A couraça, que é constituída para reprimir emoções, represa este fluxo de energia, sendo a causa do surgimento de regiões com déficit de energia, chamados bloqueios hipo-orgonóticos, e regiões com estase energética, chamados bloqueios hiper-orgonóticos.
 
Reich após minuciosos exames em vários casos de doenças descobriu que as couraças estão ordenadas em segmentos que circulam o corpo, em forma de anel. Então a couraça apresenta-se no corpo em sete segmentos, a saber: 1º ocular, 2º oral, 3º cervical, 4º torácico, 5º diafragmático, 6º abdominal, 7º pélvico.
 
O encouraçamento pode iniciar-se muito cedo, inclusive na fase da vida intra-uterina, podendo depois ser reforçado por novos eventos traumáticos, “que algumas vezes são mais intensos que aqueles que o inauguraram.”
 
Os diferentes segmentos se interconectam por um mecanismo chamado entrelaçamento das defesas instintivas.
 
As técnicas da Psicoterapia Bioenergética visam o desencouraçamento, se utilizando de diversas intervenções corporais ou trabalhos corporais (actings).
 
Os trabalhos corporais incluem técnicas de massagens, estimulação sensorial, ações motoras (actings) desbloqueantes, trabalhos de respiração, trabalhos expressivos, de relaxamento ou tonificação muscular, trabalhos posturais, trabalhos nos reflexos fisiológicos, entre outros.
 
Um princípio básico da Psicoterapia Bioenergética é que o trabalho de dissolução da couraça acontece de cima para baixo, ou seja, do primeiro ao sétimo segmento, “obedecendo ao desenvolvimento céfalo-caudal”. Entretanto esta regra é maleável, variando de pessoa a pessoa.
 
As reações aos trabalhos corporais podem ocorrer imediatamente, na própria sessão ou horas ou dias depois. “E geralmente as reações retardadas são as que produzem mais efeitos positivos”.
 
A duração do trabalho corporal varia de 15 a 25 minutos, sendo sempre ajustado de acordo com o paciente, pois depende muito da estrutura biopsíquica e da evolução de suas reações ao trabalho.
 
Um dos aspectos mais importantes do encouraçamento é a contenção respiratória, onde é diminuída a mobilidade torácica e diafragmática, diminuindo a capacidade vital e de volume corrente de energia orgonótica.
 
Todos os trabalhos corporais devem vir acompanhados de intervenções verbais, pois são complementares e de igual importância, devido à totalidade biopsíquica do paciente.
 
A abordagem Bioenergética deve sempre se ajustar as “singularidades da estrutura biopsíquica de cada paciente”, sendo que existem regras gerais para todos. Sendo então no início da terapia feito um diagnóstico psicodinâmico, caracterológico e corporal do paciente, para a construção de um “projeto terapêutico específico”, sendo este diagnóstico inicial uma hipótese diagnóstica dinâmica, modificável ao longo do trabalho.
 
O diagnóstico psicodinâmico é onde se analisa as falhas e transtornos que aconteceram durante a estruturação psíquica, na construção da identidade, que interferiram nas “fases de desenvolvimento libidinal”. Analisa os principais mecanismos de defesa, resistências, manifestações narcísicas, padrões adaptativos e padrões emocionais e interacionais dominantes.
 
O diagnóstico corporal consiste em conhecer qual o tipo ou grau de encouraçamento que o paciente apresenta. Analisando-se o grau de encouraçamento, o tipo de encouraçamento e seu significado psico-emocional, as interligações entre os bloqueios, os aspectos gerais do encouraçamento. Geralmente todos os segmentos possuem algum grau de encouraçamento, mas sempre um segmento está mais comprometido, que é chamado de bloqueio principal, onde se encontra o mecanismo de defesa mais importante.
Análise da interconexão dos bloqueios serve para orientar como será realizado o trabalho, sendo que a interconexão entre os bloqueios, entre os segmentos, “envolve mecanismos de acoplamento, de complementaridade e de deslocamento de impulsos”.
 
Os bloqueios acoplados foram gerados numa mesma situação, constituindo duas defesas diferentes, intensificando-se posteriormente juntos, causando desconexão funcional/energética de dois segmentos. “Na dissolução devem ser trabalhados os dois segmentos em conjunto”.
 
Os bloqueios complementares estão envolvidos com um único mecanismo de defesa, sendo que “dois segmentos envolvidos partilham entre si esta tarefa”. Podendo se dissolver a couraça de um intensificando o outro.
 
Existe também a interconexão onde o impulso teve sua raiz em um segmento e com o tempo se deslocou para outro segmento, sendo chamado segmento primário, onde ocorreu a origem, e secundário, onde se encontra.
 
Um aspecto importante no encouraçamento são as disfunções anatômico-fisiológicas, que deve ser feito paralelamente à avaliação dos segmentos. A retenção de líquidos nos espaços intersticiais, também indica uma estase energética, indicando energia estagnada, aliada à contenção emocional.
 
Observa-se que as manifestações do lado esquerdo estão relacionadas com a figura materna e a do lado direito com a figura paterna.
 
O conjunto de todas estas informações, citadas acima, vai permitir a construção da hipótese no diagnóstico inicial e da preparação do projeto terapêutico, que estarão sempre em reformulação. Os diagnósticos apontam demandas inconscientes e os principais mecanismos de defesa, auxiliando na escolha da melhor seqüência de tratamento.
 
Os planos de trabalhos devem ser reestruturados caso haja alguma demanda emergente, se adaptando as emergências, sendo um bom momento de se trabalhar determinadas intervenções, pois o conteúdo já está emergindo, aparecendo, aflorando naturalmente.
 
Emergente é o fenômeno psico-emocional que surge no início da sessão, que sempre está associada a uma manifestação corporal. Se expressa pela fala do paciente, por sua atitude, sinais e sintomas corporais. “Trabalhar o emergente é trabalhar um aspecto da estrutura do paciente que naquele momento está em evidência”.
 
Todas as linhas de trabalho terapêutico possuem limitações. Existem as limitações humanas por parte do terapeuta, que estão ligadas com a contratransferência e, também, por parte do paciente, que são principalmente as dificuldades de modificar os hábitos do dia-a-dia e reconstruir seus compromissos. A maioria das linhas terapêuticas visa restaurar o funcionamento psico-emocional.
 
Este artigo utilizou das idéias e escritos de Wilhelm Reich, Alexander Lowen, Ernani Trota e Maykon Bernardo.
Rua Gonçalves Dias, nº. 109 Pio Correa - Criciúma/SC